Image Map

10 de ago. de 2016

Sou mãe, mas também preciso de colo

Imagem: Filme Marley & Eu 2

 Exercer a maternidade não é fácil. Quantas vezes damos colo quando queremos o mesmo? Quantas vezes enxugamos as lágrimas quando as nossas estão presas na garganta? Foi pensando exatamente nisso que escrevi a reflexão que vocês poderão ler logo abaixo! ;)


Sou mãe, mas também preciso de colo

Positivo! Não acredito que meu sonho está se realizando! Um colo confortável e cheio de amor para compartilhar minha alegria, é tudo o que preciso.

Falta pouco para o grande dia e tantos medos me assolam... será que serei uma boa mãe? Será que saberei decifrar os choros do meu bebê? Como eu preciso me sentir segura! Como eu preciso de colo!

Ser mãe tem sido maravilhoso e ao mesmo tempo apavorante! A cada “primeira vez” me sinto perdida, achando que não vou conseguir. Já levei cada susto e as noites em claro me deixam exausta, achando que não estou sendo a mãe que meu filho precisa. Só preciso ouvir alguém dizer que vou conseguir... só preciso de um colo para descansar.

Preciso voltar ao trabalho e só Deus sabe o quanto meu coração está apertado! Tenho sofrido tanto por desmamar meu bebê. Sei que não sou a primeira a vivenciar esse momento, mas por favor, esse é o MEU momento! Preciso tanto de colo! Preciso sentir que nós ficaremos bem.

Hoje meu bebê fez o primeiro exame de sangue e eu chorei. Chorei por vê-lo chorar, chorei por todas as emoções acumuladas durante estes últimos meses. Preciso de colo pra chorar mais e chorar sem ter que me explicar.

Positivo de novo! Como farei agora? Não preciso de sermões, nem de “incentivadores” dizendo que não será fácil. Eu quero um abraço, quero que chore comigo e compreenda meus receios sem apontar o dedo. Eu preciso de colo!

Como é difícil conciliar uma gestação, trabalho, filho pequeno, ser esposa, dona de casa... Tem me doído não poder pegar meu bebezão no colo tantas vezes como gostaria e não conseguir acompanhar toda a sua energia. Mas também me regozijo por sentir os chutes do nosso mais novo amorzinho dentro de mim. Que mistura de emoções! Preciso de colo pra assimilar tudo isso.

Sinto-me realizada pela família que tenho, mas não posso negar que há momentos de exaustão e frustação. Momentos que sinto saudade da minha rotina quando trabalhava fora, quando tinha uma vida social, quando tinha adultos pra conversar durante o dia sobre qualquer assunto que não fosse marca de fralda ou indicação de um pediatra. Preciso de colo pra deitar minha cabeça e poder falar, falar, falar até me cansar.

Ver meus filhos crescidos é tão maravilhoso! Tornaram-se adolescentes lindos, mas estão numa fase que já não me veem como aquela mãe linda e legal. Agora sou a mãe que pega no pé e que cobra notas e horários. Mas quer saber? Eu também canso desse papel! Canso de cobrar e ser durona. Queria pegá-los no colo como antigamente e sentir que posso deixá-los seguros pra sempre. Na verdade, eu preciso me sentir segura, preciso daquele colo pra aquecer meu coração.

Não tenho palavras para expressar o que senti ao vê-los seguir seus caminhos e formar suas próprias famílias. Sou feliz por vê-los felizes! Preciso de colo para me aconchegar e relembrar como foi vivenciar a maternidade tão intensamente e poder confirmar que tudo tem dado certo.

 Como mãe, a gente doa, ama, sofre, renuncia, dedica-se com tudo que tem para ser a melhor. Seja alisando a barriga quando nosso filho é ainda um grãozinho ou no consolo que damos naquele tombo quando eles estão aprendendo a andar de bicicleta. Sempre temos nosso colo disponível para os filhos, para o marido, para a amiga... mas também precisamos ser ouvidas, abraçadas, consoladas, incentivadas... mãe também precisa de colo!


5 de ago. de 2016

Chá de Fraldas | Aprenda a fazer o convite


 As semanas vão passando e a data do Chá de Fraldas está chegando. No post  Dicas para organizar o Chá de Fraldas eu havia dito que mostraria como ficou o convite do Chá da Linda e que faria o passo a passo. Promessa é dívida e cá estou eu! Bora lá!

 Resolvi fazer um convite mais simples e que fosse possível minhas leitoras fazerem sem a necessidade de recursos maiores. Basta imprimir o modelo que estou disponibilizando e seguir as orientações, ok?!

1 de ago. de 2016

Escolhendo o nome da bebê


 Depois de saber o sexo do bebê, todo mundo quer saber qual será o nome escolhido pelos pais e muitos dão até dicas e mais dicas. Tem famílias que há até disputa entre pais e avós para escolherem o nome do bebezinho. Mas acima da nossa vontade, não podemos esquecer que estamos falando de um ser humano que estar por vir e essa decisão marcará sua vida para sempre. 

 Eu e Júlio (meu marido) sempre tivemos o cuidado de saber tudo sobre o nome a ser dado aos nossos filhos. Antes de um nome bonito, vem o significado por trás dele e é isso que pesa muito em nossas escolhas. Para nós, isso influencia e muito sobre como será a sua personalidade e como o peso do significado do nome virá sobre ele(a). Não é superstição, mas fatos comprovam isso em nosso dia-a-dia e a bíblia nos respalda inclusive. Podem observar que o próprio Deus tinha o cuidado de nomear seus escolhidos e até mudar o nome de alguns. Simplesmente por que não gostava daqueles nomes? Não! Mas porque havia um significado por trás deles. 

 Claro que não vamos só ver o significado e escolher um nome que soe estranho ou que dê motivo de apelidos nada bacanas para nossos filhos, né? A pessoa passar a vida toda sendo motivo de piadinhas é tão triste! Eu não gostaria de passar por isso, por que faria isso com meus filhos? Antes de escolher um nome, temos que pensar que o nome será dele e não nosso. Sério gente, ser chamado de "Um", "Email", "Oceano Atlantico" e tantos outros nomes muito esquisitos é uma falta de respeito com o próprio filho.

 Outra coisa que eu me preocupo é na facilidade que a criança vai ter em aprender a escrever o próprio nome. Eu particularmente, prefiro nomes curtos e sem y, vários L ou N, mas isso é um pensamento meu, tá?! No nosso caso, as crianças recebem o sobrenome "Koplin" que já terão que soletrar para o resto da vida (digo isso por experiência própria!), imaginem se tiverem um nome mais complicado? Prefiro facilitar a vida deles. :) Então escolhemos Isaque, Lídia e Elisa.

 Além da facilidade de se escrever, pensamos muito em como vai soar o nome juntamente com todo o sobrenome. Sempre falo em voz alta e escrevo o nome completo para ver se vai ter uma boa combinação.

 Depois de falar isso tudo, vocês devem estar curiosos para saber o nome da nossa bebê, né? Foi até engraçado, por que assim que soubemos o sexo e contamos para as crianças, decidimos no dia seguinte. Analisamos os nomes femininos que eu e Júlio havíamos separado no aplicativo sobre gestação que eu uso ( o Gravidez +) e fomos dizendo em voz alta cada nome e eliminando. Quando chegou no nome escolhido, todos gostaram e as crianças começaram a gritar o nome. Depois disso, não teria como escolher outro! Rsrsrs... Então o nome escolhido foi...
Foto divulgada no Instagram

 Além do adjetivo ser lindo (risos!), no original, Linda significa afável, escudo e adorável. E desejamos que nossa princesinha seja muito forte e amável, porque amada ela já é e muito!

 Mas e vocês? Como escolheram ou estão pensando em escolher o nome do(a) seu(sua) filho(a)? Conta pra mim nos comentários! ;)



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Diario de Maternidade - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Acid Assessoria.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo