Image Map

30 de dez. de 2016

Uma doula para chamar de minha

 Doula. Uma palavra diferente, ainda pouco falada entre nossas gravidinhas brasileiras mas que tem um valor imensurável para uma gestante. Pelo menos é como eu vejo e como me sinto em relação a elas.


 Eu já contei pra vocês no vídeo Parto Normal ou Parto Cesárea como foi meu primeiro parto normal, as consequentes cesáreas desnecessárias e minha decisão por um parto natural nessa gestação da Linda (veja  vídeo do Nascimento da Linda). A cesárea foi minha primeira opção mas, quando me deparei com a oportunidade de ter uma nova e linda experiência com o parto natural, a escolha de uma doula foi fundamental. Na verdade, ela me trouxe confiança quando ainda estava indecisa e me levou a olhar de outra forma meus receios. Só tenho a agradecer a minha amiga Diana por ter me indicado a Fabiola, minha querida doula! <3

 Se você ainda não sabe o que é uma doula e está perdida com esse post, vamos à definição da palavra...

 Doula: Uma doula é uma assistente de parto, com ou sem formação médica, que acompanha a gestante durante o período da gestação até os primeiros meses após o parto, com foco no bem estar da mulher. Cabe a ela proporcionar informação, acolhimento, apoio físico e emocional às mulheres durante a gravidez, o parto e o pós-parto.

 Mas eu prefiro a explicação feita pela doula Karla Fuentes:
Doula não é analgesia, anestesia ou algo parecido. Doula não é escudo. Doula é uma profissional que vai te orientar durante a gestação sobre as evidências científicas acerca da gestação e do parto, da amamentação,  dos primeiros cuidados com o bebê . Vai estar disponível quando pintar aquela dúvida ou insegurança nos momentos mais inusitados, vai informar a família.  Vai acompanhar a gestante e seu acompanhante durante o trabalho de parto usando as técnicas não farmacológicas de alívio da dor, reafirmando tudo o que você mulher escolheu para o seu parto, lembrando você de caminhar, amparando ,hidratando e alimentando você . O parto é seu, só seu assim como o seu corpo. A doula acompanha, orienta , cuida de você, mas o trabalho e os méritos são todos seus. Não busque o empoderamento da Doula, com a ajuda e orientação da Doula encontre o empoderamento em você!  A dor não é o mais difícil de suportar mas a falta de informação para as escolhas sim. Então... Não contrate uma Doula com a intenção de te ajudar no trabalho de parto só,  é muito pouco diante de tudo o mais que podemos proporcionar para você e toda a sua família!

 MINHA EXPECTATIVA X REALIDADE

 Confesso que quando Diana me falou sobre ter uma doula, não dei a devida importância e pensava que não faria tanta diferença na minha decisão. Tinha receio sobre como eu conseguiria me abrir e confiar tão rapidamente numa "estranha", faltando poucos meses para o meu parto. Em que me ajudaria em tão pouco tempo, diante de tantos anos de trauma e receio? Mágica? Não. Com certeza não!


 Lembro da minha primeira conversa com a Fabiola e como em poucas horas derramei toda minha história nos olhos e ouvidos dela (olha o Whatasapp! Kkkk....) e como derramei lágrimas. Sim, a tal estranha conseguiu essa proeza! As semanas foram se passando, esclarecimentos surgindo, Linda  chegando e me deparei com a tal estranha conquistando meu coração. Sabe quando um fato liga você a alguém de forma muito forte? O parto da Linda fez isso entre mim e minha doula. Hoje tenho um carinho enorme por aquela que esteve ao meu lado quando meu marido não pôde estar (explicarei no relato de parto e vocês vão rir!), aliviando meus desconfortos e atenta para que tudo ocorrosse como eu desejava.

 Minha expectativa era ter uma profissional dando orientações e me ajudando durante o trabalho de parto. Mas na realidade, além de todas as informações baseadas em evidências que traziam mais segurança nas minhas escolhas e preparo do meu plano de parto e, todo aquele apoio emocional que tanto precisamos na gestação, eu tive um anjo que me abraçou e me encheu de doses de amor, confiança e mel (literalmente) quando mais precisei!


 Ter uma doula para chamar de minha foi um lindo presente que Deus me proporcionou. Não tenho palavras pra agradecer todo carinho e cuidado que recebi da Fabi. Em seus olhos eu pude ver como estava vivendo aquilo tudo comigo, fazendo parte daquilo e se regozijando com a minha felicidade. 

 Minha definição para doula: ser transbordante de amor, que escolheu viver e reviver o momento mais precioso na vida do ser humano: o seu nascimento. Existe momento mais cercado de força e amor que esse?



13 de nov. de 2016

Saiba o que é o Plano de Parto


Se você é daquelas gravidas/mães que adoram assistir aos programas sobre gravidez que dá  nos canais de TV à cabo, com certeza já ouviu falar sobre o Plano de Parto e o enxerga como algo só existente em outros países, né? Eu também pensava assim e nessa gestação, descobri que estava totalmente enganada! Sei que não sou a única, por isso, convidei a doula Fabíola Coutinho para explicar pra vocês o que é o Plano de Parto e porque é importante toda gestante fazer o seu. Confiram abaixo:


Plano de Parto

 Plano de Parto é um documento onde constam as necessidades levantadas pela gestante/parturiente para que parto/nascimento aconteçam da melhor maneira possível, de acordo com a sua vontade.

 Antes de se montar o Plano de Parto, ressalto a importância de se conhecer "bem" o profissional que foi escolhido para atender o pré-natal. Saber quais são suas práticas, opinião sobre parto normal e respeito à mulher na hora do parto é de fundamental importância, porque o Plano de Parto lhe assegura  muita coisa, mas não faz milagre.

 Depois de conhecer o profissional, outra etapa é saber aonde será o parto (SUS, particular, domiciliar). O olhar da mulher deve se voltar para todos os detalhes, ou quase todos, que envolvam o nascimento.

 Para a elaboração desse documento devem constar o que a mulher deseja e não admite, durante todo o processo de trabalho de parto, parto e pós-parto. Cada item importa, cada detalhe faz muita diferença. Mas, para elaborar o PP de forma consciente, é importante ter conhecimento sobre muitos aspectos da humanização do parto (ciência baseada em evidências). Saber, por exemplo o que seja violência obstétrica, o que facilita ou prejudica no trabalho de parto, os benefícios ou não de certas práticas com a mulher e com o bebê, o que seja imprescindível, importante ou dispensável. É importante que a mulher se conheça e saiba o que seria ideal para o momento e o que não abriria mão de jeito nenhum. Alguns itens de grande relevância para constar no Plano de Parto: prática da episiotomia, manobra de khristeller, uso sem autorização de indução, toques desnecessários, luz, barulho, quantidade de pessoas na sala de parto, movimento da mulher durante o trabalho de parto, e tantas outras coisas, que só com muita pesquisa, trocas em grupos, conversa com doulas e profissionais envolvidos na humanização do parto, ajudarão em cada escolha.

 Esse olhar cauteloso também deve ser voltado para o bebê. O Plano de Parto deve constar itens importantes para proteger o recém-nascido de práticas desnecessárias, como: aspiração, banho antes de 24 horas, uso do colírio nitrato de prata, afastamento do bebê da mãe, amamentação na primeira hora de vida, uso de complemento, vacinas, etc.

 Sabemos que para planejarmos qualquer coisa, é necessário ter um plano principal e um secundário, para que não sejamos pegas de surpresa. Com o Plano de Parto não é diferente. Nele precisam constar todas as possibilidades que se possam imaginar, para o parto/nascimento. Ou seja, dentro do Plano de Parto deve contar mais de um "plano". Plano para parto normal sem intervenção (plano A), para normal caso haja necessidade de intervenção (plano B), para cesariana intraparto - cirurgia feita depois que a mulher entra em trabalho de parto (plano C), para cesária agendada antes de entrar em TP (plano D), para transferência para hospital, em casa parto domiciliar (plano E)... percebe como é necessário pensar de forma bem detalhada em como se deseja um parto/nascimento?

 Levantadas todas essas questões,  o profissional de assistência ao parto, deve, não só tomar conhecimento sobre a existência do PP e as exigências apontadas, como também, discutir sobre cada com a mulher. É, muitas vezes na discussão sobre o PP, que muitas mulheres descobrem, de verdade, quem é o profissional que está lhe assistindo, e quais são suas verdadeiras práticas. Isso acontece porque, depois de lido e discutido, o documento deverá ser carimbado e assinado por ele, comprovando que está de acordo e ciente da vontade da gestante. Qualquer coisa que seja feita diferente do que foi acordado, o documento serve como prova para possíveis processos judiciais.

 Após esse processo com o profissional de saúde obstétrica, o documento deve ser levado ao hospital, para que seja apresentado à direção e saber se alguns dos itens abordados (se envolverem a estrutura da instituição) têm condições de ser efetivados. Por isso é importante que se conheça a instituição de saúde para aonde se deseja ir, para que os itens abordados no PP estejam de acordo com a prática do hospital. Não adianta colocar no Plano de Parto que gostaria de silêncio no quarto, se no hospital só tem quartos coletivos. Ou que gostaria que o ar-condicionado fosse desligado, se o aparelho lá é central. Então, o PP deve estar de acordo com as possibilidade da instituição, para que ele seja realizável.

 Por tudo o que foi exposto, é muito importante que a mulher faça suas escolhas de forma consciente, para se preparar e saber o que esperar do momento que envolve nascimento e descobertas. Mas... nem tudo são flores na vida, não é mesmo? Sendo assim, é importante ressaltar que nem sempre o Plano de Parto é respeitado, seja pelo profissional de saúde, seja pelo hospital. Por isso, ter uma cópia com a família é fundamental. Reconhecer o documento no cartório para garantir sua legitimidade, também é uma boa alternativa.

 Depois do Plano de Parto ser feito e refeito, ele deverá ser impresso em 3 vias e serem assinadas pelo profissional de saúde, pela direção do hospital e pela elaboradora (gestante). Caso se opte pelo autenticação, todas as vias devem passar pelo cartório.Uma via será entregue ao acompanhante de saúde, uma ao hospital no dia da entrada em TP e a outra deverá ficar com o acompanhante, para que, qualquer ação em desacordo, o PP seja apresentado como prova de ciência de todas as partes pelas exigências feitas.

Como escrever o Plano de Parto?
O Plano de Parto pode ser escrito de diversas maneiras: poema, música, documento padrão, versos, crônicas... da maneira que a mulher quiser, desde que seja claro e coerente.

Se você é da cidade do Rio de Janeiro e quiser saber mais sobre esse assunto e tudo e sobre o parto normal respeitoso (humanizado), administro uma roda de conversa em Campo Grande, Zona Oeste do Rio.






Equipe Doulas no Rio

6 de nov. de 2016

Chá de Fralda da Linda | Ideias para Lembrancinhas

 No chá de Fraldas da Linda procurei fazer lembrancinhas que fossem úteis para minhas convidadas mas, que também, não pesassem tanto no meu bolso. Foi pesquisando muito, principalmente no Pinterest (amoooooo) que encontrei dicas bem legais e fiz minha versão e achei que ficou bem legal!

 A primeira lembrancinha é apenas um papel grosso que imprimi com essas listras e recortei em formato de borboletas. Aí é só caprichar na amarração com fita e colocar uma tag personalizada.


 A segunda lembrança deu um pouco mais de trabalho mas é a minha favorita. Eu tinha muitos potes de azeitona guardados, então pintei as tampas de dourado (com tinta spray), comprei puxadores de gaveta, pintei e colei nas tampas. Fiz sabonetes caseiros em formato de coração e coloquei nos vidros. As minhas amigas amaram!!!
 Nesta mesma foto abaixo, vocês podem ver a terceira lembrancinha, que são aquelas latinhas de balinhas, mas ao invés das balas, eu coloquei sabonetinhos. Na tampa eu colei cabecinhas de bebê em feltro, que eu já tinha guardado  há tempos!


 Para a decoração, os doces são peças chaves para ajudar a preencher a mesa! Então usei os famosos tubetes, com balas na cor da decoração e uma tag em formato de pé de bebê.


 Marshmallows... Hummmm.... Como não amá-los??? Coloquei essas maravilhas em palito de churrasco, embrulhei com saquinho de sacole, colei uma tag e pronto!
 Ah! Vai uma dica pra vocês não apanharem como eu: para enfiar o marshmallow no palito sem que ele fiquei todo amassado, é só molhar o palito na água antes de começar. Infelizmente eu não sabia disso no início e um monte de marshmallows ficaram amassados! Tive que comê-los... Que sacrifício!


 Eu fiz algo bem legal com jujubas também, mas quando fui procurar nas fotos vi que não havia fotografado. :(

 Lembrancinhas que podemos fazer em casa e sem gastar tanto é essencial, afinal, já estamos tendo um custo bem puxado para preparar o enxoval do baby, né? Não se preocupe em gastar tanto no chá de bebê, tenho certeza que suas convidadas ficarão felizes com um simples mimo feito com muito carinho! 

 Eu usei muita coisa que já tinha em casa e abusei na improvisação! O segredo é colocar a criatividade em ação!





31 de out. de 2016

Frases para lembrancinhas de Maternidade


 Esta semana estava terminando de preparar as coisas para a maternidade e tinha esquecido completamente das tags para colocar nas lembrancinhas. Quando sentei no computador para fazer isso não gostava de nenhum resultado. Percebi que era justamente a frase que estava me incomodando. Fui pesquisar algumas ideias e eram sempre aquelas mesmas frases... Foi então que me veio o trecho de uma das canções infantis que tanto cantei com as crianças e vi que se encaixava perfeitamente!

"Quando nasce uma criança
O mundo inteiro sorrir
Porque brilha a esperança
De algo bom que está por vir."
Trecho canção "Quando Nasce Uma Criança" - Crianças Diante do Trono

 Assim como eu tive dificuldades de encontrar algo diferente, tenho certeza que muitas gravidinhas de plantão estão passando pelo mesmo. Então separei alguns trechos de canções super fofas, para que vocês possam se inspirar e usar nas suas lembrancinhas de maternidade!

"Vindo de Deus, você chegou
Trazendo Alegria, novo Amor."
Trecho música "Meu filho" - André Valadão


"É como um sonho que se realizou
Foi longa a espera, tempo que enfim passou
Os nossos corações parecem explodir de amor
Por ti querido
Rendemos a Deus louvor"
Trecho canção "Bebê Querido" - Aline Barros


"Tudo se transformou por você
Na hora em que você chorou
A vida lhe sorriu
E o mundo se abriu pra você"
Trecho canção "Meu Bebê" - Cristina Mel


"Bem vindo, tão querido
Protegido, meu bebê
Amado, esperado
Abençoado, você"
Trecho canção "Meu Bebê" - Cristina Mel


"Assim como mudam as Estações
Se acaba o Frio de um Inverno 
E se espalham pela vida 
As flores de uma Primavera
Você chegou em nosso lindo jardim chamado Família
Uma nova estação, uma nova fase em nossas vidas."

Primeira parte: Trecho canção "Minha filha, minha flor" - PG
Segunda Parte: Carol Koplin


30 de out. de 2016

Parto normal ou parto cesárea?

 

 Gente, nem acredito que finalmente consegui gravar o primeiro vídeo pro Canal do blog! \o/\o/\o/ Aproveito para convidar vocês a se inscreverem lá e dar uma força pra gravidinha aqui, ok?! ;)

 Muita gente me questiona sobre qual tipo de parto pretendo, se farei a laqueadura e outros questionamentos do tipo, por isso escolhi exatamente esse tema para falar no vídeo de hoje. Confiram lá!



26 de out. de 2016

Minha Quarta Gravidez | Diário do 1° semestre




 Oi pessoal! Quando criei o Diário de Maternidade tinha o propósito de fazer um diário mensal sobre a gravidez mas... Foi impossível! Conciliar uma gestação com três crianças em fase escolar, corre pra lá, corre pra cá, estuda para prova com um, depois com outro, depois tarefa da mais nova, enjoos, consultas, dor de barriga de um e de outro... Loucura, loucura, loucura! 
 Como meus planos não seguiram o percurso desejado, vim dar uma resumida no que foi o primeiro semestre pra vocês e assim poder ir atualizando tudo, ok?!

 Se você está conhecendo o Diário de Maternidade hoje, dá uma espiada no post onde falo como foi descobrir que estava Grávida pela quarta vez e depois volte a ler este post pra não ficar perdido! 


 Da descoberta até os 3 meses

Sou sincera em dizer que levei bastante tempo para assimilar a novidade. Acho que revivi todas as emoções e experiencias da gravidez da Elisa, nossa terceira filha, durante semanas e criei um escudo para qualquer piadinha/crítica que fizessem a respeito desta gravidez. Sério, na gravidez da Elisa eu ouvia tantas criticas ao ponto de pessoas me pararem na rua para jogarem suas farpas e eu ia pra casa aos prantos! 

 Em meio a esse turbilhão, comecei meu pré natal e fiz todos os exames que a obstetra pediu. Resultados normais para todos eles, a única coisa que não era normal pra mim foram os enjoos... Aff... Só de lembrar... E como "presente de grego", a gastrite nervosa resolveu atacar! Resultado: Não comia nada por me enjoar ou por atacar o estomago e perdi um cadinho de peso no processo.

 Com três meses fiz a tão temerosa ultra para medir a Translucência Nucal do bebê e graças a Deus, as medidas estavam dentro do padrão! \o/

Translucência nucal é uma medida tirada no ultrassom morfológico do primeiro trimestre, um exame de rotina. Seu principal objetivo é ajudar a detectar o risco de síndrome de Down e outras anomalias cromossômicas, além de problemas cardíacos.

 Do 4° ao 6° mês


Um conselho dou para as mamães: Ouçam seus extintos! Sabe o "sexto sentido"? Escute-o e tire "a prova dos nove"!

 Desde o início eu gostei da obstetra e estava tranquila até que em uma das consultas ela disse que só fazia cesáreas e que não disponibilizava de tempo fora das datas marcadas. Como em estava disposta a fazer mesmo a cesárea, não me preocupei. Até que uma ficha caiu: Meus filhos não são daqueles de esperar a data marcada! Isaque nasceu de 37 semanas, Lídia de 38 semanas cravadas e Elisa de 37 e alguns dias, com certeza imprevistos surgirão e minha médica não ter essa disponibilidade não é nada legal! 

 Resolvi dar ouvido aos meus extintos e procurei outra obstetra, por indicação de uma amiga que também estava grávida. Mas para minha surpresa, não era sobre imprevistos que meu "sinal de alerta" não parava de gritar... Levei todos os exames feitos até aquele momento, 17 semanas de gravidez, para que ela pudesse ver e logo de cara ela me veio com a pergunta "a outra médica falou alguma coisa sobre esses exames?" e eu gelei! Tinha uma alteração séria em um dos exames e a outra obstetra simplesmente não viu ou ignorou. Refiz os exames e realmente constou a alteração mas foi algo que tive antes da gestação, então não tem problema, mas fui refazendo o mesmo exame durante os meses só para monitoramento. Ah! O tal exame é o IGG e IGM do Citomegalovírus que, se vocês quiserem, posso falar em outro post porque esse já está ficando gigante!

 Com 17 semanas foi confirmado o sexo do bebê e na semana seguinte nós contamos para as crianças e você pode conferir como foi AQUI.

 Com 4 meses os enjoos foram embora (graças a Deus!!!) mas chegou um outro incômodo que já conhecia de outras gestações: a dor na bacia ao ponto de travar a perna. E onde quer que eu estivesse, se a perna começa a travar já era! Não saio do lugar!

 Genteeeee, as faltas de ar são de deixar qualquer um louco da vida! Eu sei que tem muita reclamação neste post mas verdade seja dita, pelo amorrrrr... Eu necessito de mais ar!!! Se você está grávida e achou que estivesse com algum problema respiratório, acalma-se que é super "normal". Seu bebezinho só resolveu brincar de esmagar seu diafragma! Kkkkk...

 Escolhemos o nome da bebê e passei a seguir mais minha rotina, na medida do possível. Confesso que não consegui organizar nada da bebê durante esse segundo trimestre além dos convites para o chá de fraldas.

 Com três crianças pequenas que necessitam muito dos meus cuidados, foi bem difícil conseguir me concentrar somente na gravidez. Observei que fiquei muito indisposta nesses meses, ainda mais com minha rotina puxada de idas e vindas de escola somadas as dores na bacia. Mas o importante que meus exames estão ótimos, pressão maraaa e nossa Linda saudável, com coração forte, mostrando ao mundo que vai chegar com tudo!

 15 Semanas                      20 Semanas                                       25 Semanas                       
 
 Posso confessar que sou a esfomeada da madrugada??? Levanto altas horas da noite varada de fome!!! E como sem medo de ser feliz! Kkkkkk...

 No sexto mês me deu a louca e resolvi cortar o cabelo! Dizem que sempre dá doideiras do tipo nas gravidas sobre o cabelo, mas eu já estava com muita vontade de cortar ainda mais o meu e fui cortar sem medo de ser feliz!

Antes                                                     Depois

 Então está aí o resumão com pontos que marcaram mais esse período. No próximo diário, estarei contando como foi o 7° e 8° mês, ok?!

 Ah, se você ainda não me segue no Instagram vai lá em @carol_koplin e me segue! Estou sempre atualizando como está sendo a gestação e gravo instachat (eu chamo assim a versão Snapchat do Insta! Kkkkk...). Inclusive quando eu entrar em trabalho de parto, estarei atualizando tudo por lá! Então não deixe de me seguir pra acompanhar tudo!

 Até mais!


23 de out. de 2016

Semanas x Meses de Gravidez | Como calcular?



Quer me fazer uma pergunta difícil? É só perguntar com quantos meses eu estou! Sério, mesmo sendo minha quarta gravidez fico perdidinha na hora de associar as semanas com os meses. Já até conversei com minha médica sobre isso e ela mesmo orienta a não se prender aos meses e sim, basear-se nas semanas a partir da data da sua última menstruação. Mas vai explicar isso para aquelas pessoas que sempre nos perguntam em que meses estamos... Se você responde em semanas elas logo perguntam "tá, mas isso é quanto em meses?" e aí lasca tudo! 

 Primeiramente precisamos esclarecer uma coisa que ouvimos a vida inteira: Uma gestação não dura 9 meses e sim, 10 meses. Isso mesmo: 10 meses! Mas como assim Carol? Eu vou explicar.
Uma gravidez saudável pode ir até 42 semanas e não a 40, como se fala, até pelo fato de que nem sempre conseguiremos dizer com exatidão quando houve a ovulação. O que fazemos é agrupar o nono mês as semanas de 37 a 42 pra evitar a fadiga. Tenho certeza que se você disser que está grávida de dez meses, criará um caos e não terá mais sossego! kkkk...

Mas então, vamos entender como ficam essas divisões e o que acontece em cada período:

1º mês - 0 a 8 semanas: É uma explosão, entre fecundação e divisões celulares. A oitava semana é marcante pois é quando podemos ouvir o coração do bete bater, recém formadinho.

2º mês - 9 a 12 semanas: Nessas semanas os tecidos todos vão ser formados, braços, mãos, pernas, pés, orgãos abdominais, dedinhos e orelhas. Com 12 semanas o cérebro já existe e também o sistema nervoso.

3º mês - 13 a 16 semanas: O esqueleto se fortalece e cresce muito semana a semana e sistema reprodutor já se diferencia. Nessa fase as mamãe já podem descobrir se esperam por uma menina ou menino.

4º mês - 17 a 20 semanas: A Mãe já pode sentir o bebê dando pulinhos do seu ventre e respondendo a estímulos. Nessas semanas os primeiros fios de pelinhos começam a surgir, cabelinhos e sobrancelhas. E nada tem a ver com azia.

5º mês - 21 a 24 semanas: Os movimentos respiratórios já acontecem e os pulmões já treinam para respiração externa, com soluços. Ainda precisam33 a 36 semanas: amadurecer e crescer bastante pra respirarem como os adultos.

6º mês - 23 a 28 semanas: Aqui amadurece a coluna.

7º mês - 29 a 32 semanas: Os olhos do bebê já se abrem, ele responde a estímulos de luz e som, já que também pode ouvir perfeitamente!

8º mês - 33 a 36 semanas: É tempo de crescer e fortalecer. Nesse período que se espera que fiquem já na posição ideal para o nascimento (de cabeça para baixo).

9º mês - 37 a 42 semanas: O bebê já está todo formadinho, agora é a hora em que o cérebro e pulmões amadurecem para poder se adaptar com mais facilidade a vida fora do útero. É também quando o bebê mais ganha peso, aquela gordurinha essencial para ficar bem até aprender a mamar direitinho.
Fonte: Doula Sam Barth

Agora, quer uma dica de amiga? Se faça de boba e jogue a data prevista pro parto algumas semanas à frente. Assim, você evitará estresse e várias mensagens diárias com as típicas frases "já nasceu?", " não tá passando do tempo?" e tantas outras que acabam com nossa serenidade no final da gravidez. 


4 de out. de 2016

PetiteBox


 Há algumas semanas, deparei-me com uma das caixinhas da PetiteBox nas minhas redes sociais e fui pesquisar no You Tube e descobri os assinantes recebem mensalmente produtinhos selecionados para seus bebês e para as próprias mamães/gravidinhas. Já havia feito uma assinatura parecida mas era voltada para produtos de bebeleza. Como toda grávida é viciada em coisinhas voltadas para os bebês, eu resolvi assinar e vou mostrar pra vocês agora tudo o que veio na minha PetiteBox do mês de setembro. Vale salientar que a cada mês as caixinhas vêem com desenhos diferentes e seu conteúdo também não é padronizado. O objetivo é trazer novidades para as mamãe e seus bebês.

 Em todas as resenhas que vi era unânime os elogios sobre as caixinhas em si, bem durinhas e com desenhos mais fofos a cada mês e gente, é verdade! A caixinha é linda por dentro e por fora, bem resistente e fica maraaa como organizadora. Amoooo caixinhas!!! 


 A proposta da caixinha do mês de setembro é que as crianças usem a capa da caixinha como um teatrinho. Como vocês podem observar na primeira foto do post, a capa veio com uma marcação para cortarmos e assim as crianças usam com um palco de teatro para esses lindos dedoches abaixo:


 Agora vamos para os produtos...

 Shampoo e Condicionador Cremer - 200 ml
Valor: +ou- R$18,00



Matricaria - 24 papelotes

 Chamomilla, 1DH é um produto homeopático, indicado nas perturbações decorrentes do aparecimento e da mudança dos dentes nas crianças, tais como: agitação, perda de apetite, insônia, enfraquecimento, choro noturno, diarreia e convulsões. 
Valor: R$20,50



Creme de prevenção de estrias na gravidez Luciara - 15 ml
Amostra Grátis



1 Cupom com direito a 1 Fotolivro gratuito e o frete por conta da FotoRegistro + ímã de geladeira
Valor: R$ 39,90 



Prato Soft Color Kuka Baby com tampa
Valor: R$ 18,90



Etiquetas organizadoras à prova d'agua Names 2 Glue - 32 unidades
Valor: R$ 22,00



Valor total em produtos: +ou- R$ 119,30
Valor da assinatura da Caixinha: 51,03 = Frete


 Pelo o que vi nos vídeos das caixinhas de outros meses, elas costumam vir mais recheadas que esse mês de setembro mas, mesmo assim, compensou e muito o investimento. Tudo é embalado com muito carinho e como disse anteriormente, a caixinha é tão fofaaaaa!

 Achei que demoraram a fazer a entrega e quando mandei mensagem questionando, logo recebi um e-mail esclarecendo que muitas caixinhas tiveram essa demora devido ao confeccionamento dos dedoches. Dias depois, os responsáveis fizeram um vídeo esclarecendo tudo pelo Facebook. Achei muito bacana da parte deles pois mostra o respeito e comprometimento com seus clientes.

 Para saber como assinar entre no site da PetiteBox e confira as opções de planos que tem e se encaixe melhor para vocês. Confesso que não me empolgou tanto essa caixinha mas farei uma assinatura trimestral para poder avaliar melhor. Já disse que amei as caixinhas??? Hihihi...



29 de set. de 2016

Como as crianças estão reagindo com a gravidez



 Quando engravidei da Lídia, Isaque tinha apenas 11 meses. Quando Elisa nasceu, Isaque e Lídia tinham 3 e 2 anos. Eram bem pequenos e não tinham aquele entendimento da situação em que estavam. Hoje, temos Isaque com 8, Lídia com 6 e Elisa com 4 anos. Uma diferença bem maior de idade que nossa pequena Linda, que está para chegar. Eu pensei que as coisas seriam até mais fáceis pelo fato deles já terem o convívio entre eles e que não seria "nada demais" acrescentar mais uma menininha a essa turma, mas eu estava enganada...

 Mesmo Isaque sendo tão pequenino quando Lídia nasceu, não deu problema no quesito ciúmes e acho que soubemos, eu e Júlio, dividir bem a atenção para os dois. Quando veio Elisa, Isaque já estava de boa no quesito "dividir a atenção" e Lídia sempre foi muito bem resolvida desde novinha, então sem grandes problemas novamente. Agora chegamos ao ponto "X" do nosso post: ELISA. Até alguns meses ela era a caçula, a gaúchinha que os irmãos mais velhos tinham mais zelo por ser a menor. Mas agora a mamãe não pode mais pegar no colo, devido ao barrigão e as dores que sinto, nem deixar que durma em nossa cama pelo mesmo motivo e outras mudanças vão acontecendo e ela não está gostando muito disso.

 No primeiro trimestre, achamos que ela estava assimilando bem a novidade mas no segundo trimestre da gestação as coisas foram mudando. A menininha que sempre foi "pra frente", que falava corretamente e que fazia de tudo para "não ficar pra trás" em relação aos irmãos, agora faz vozinha de bebê, faz birra em casa, na escola e na igreja e está levaaaaaadaaaa... Temos que respirar milhões de vezes para mantermos a paciência porém, os irmãos não tem essa mesma maturidade. Sim, até Isaque e Lídia andam perdendo as estribeiras com ela! Rsrsrs... 

 Qual a solução??? Paciência e muuuuuuuuita conversa com  nossa gaúchinha. Temos explicado que ela não é mais bebê, que agora é uma mocinha e vai ajudar a mamãe a cuidar da Linda. Ela é super amorosa conosco, abraça e beija minha barriga todos os dias e faz carinho em mim quando não me sinto bem. Sabemos que ela não sabe expressar o que sente e essas crises são a forma que tem de nos dizer que está sentindo a mudança.

 Nosso Isaque é um rapaz já, né? Percebi uma grande mudança nele nas primeiras semanas de gravidez. Passou a se preocupar mais comigo e a observar mais as coisas. É meu super companheiro e dedura as irmãs o tempo todo! Kkkkkkk... Mas até nele percebi uma mudança de comportamento, ou será que é da idade? Não sei, mas o rapaz resolveu ser o implicante da casa e tira o sossego das irmãs o dia todo! Lídia ou Elisa, quem estiver na mira será alvo das sapequices do garotão. Isso resulta em brigas, gritarias e até lágrimas. A mãe pira!

 Lídia é muito carinhosa e não temos visto grandes mudanças de comportamento. Ela sempre foi muito agarrada a mim e continua assim. As brigas com os irmãos continuam no "padrão" de antes. Rsrsrs...

 Não falamos e nem permitimos piadinhas do tipo "tá perdendo o lugar" e etc... Acho esse tipo de comentário ridículo e insensível. Quem tem filhos e já passou por isso, sabe o quão impróprio é esse tipo de colocação. Cada um é amado e especial em nossa família e fazemos de tudo para que eles percebam e sintam isso.

 É fácil lidar com as mudanças? Não! Temos um manual ensinando como agir? Também não! A mãe surta? Quase sempre! O pai fica numa sinuca de bico? Fica sim! Mas somos uma família e vamos passar por mais essa fase juntos! Linda em breve estará conosco e eles vão perceber que nosso amor não foi dividido, ele se multiplicou!

Fotografia: Patrik Silveira

24 de set. de 2016

Canções emocionantes sobre gravidez


Lágrimas e gravidez são os companheiros inseparáveis em meio a tantos hormônios! Para a mulher que já é uma "manteiga derretida" como eu, aí lasca tudo de vez! Rsrsrs... E para fermentar ainda mais nossas emoções vem aquelas pessoas inspiradíssimas, escrevem canções lindas, complementam com melodias emocionantes e o resultado sabe qual é? Lágrimas, lágrimas e lágrimas! 

 Como sou muito "boazinha" resolvi compartilhar com vocês algumas das canções que me emocionaram durante minhas gestações e assim vocês me fazem companhia em meio a tantas lágrimas, ok?! Hihihi...


 A primeira canção é bem provável que vocês já tenham escutado e não tinha como deixá-la de fora, afinal, ela fala sobre os 9 meses em que nosso bebê está desenvolvendo e todo seu sentimento por nós.


Bárbara Dias - 9 Meses


 Outra canção da Bárbara Dias muito fofa que é a nossa cara gravidinhas...

Bárbara Dias - Dentro de Mim


 Fiquei muito emocionada com a música que o Michel Teló fez para falar do lindo amor entre ele e a esposa Thaís Fersoza e que através do clipe emocionou muito, mostrando os momentos a dois e toda a emoção da gravidez de sua primeira filha.

Michel Teló - Chocolate Quente


 Tom Fletcher, vocalista da banda McFly, fotografou sua esposa durante todos os dias da gravidez e compôs uma linda canção que resultou nessa fofura que vocês verão agora...

Tom Fletcher - Something New

Essa canção me faz dançar como se já estivesse ninando minha bebê...

Roberta Campos e Nando Reis


 A famosa cantora baiana Ivete Sangalo escreveu uma canção linda e confesso que só soube que foi inspirada em sua gravidez semanas atrás e se tornou uma das minhas favoritas.

Ivete Sangalo - Agora Eu Já Sei


 A próxima música me fez chorar demais no início desta gestação. Quando uma amiga me pediu que a cantasse no Dia das Mães foi um "desastre" total! Só chorava e não consegui cantar nem o refrão! Resultou em todo mundo chorando junto comigo e a música ficou pra lá.... Só de lembrar já estou chorando novamente... Ai, ai...

Arianne - Meu Amor Virou Gente

 Tem um lencinho pra me emprestar aí? Vou ali pegar um e nos vemos no próximo post! Até mais!


18 de set. de 2016

Ensaio de Gestante



Olá queridos! Dei uma sumida do nosso diário mas essas ultimas semanas não tem sido fáceis. Uma quarta gravidez requer ainda mais do corpo da mulher e estou tendo uma noção bem intensa sobre isso! Rsrsrs...

 Hoje vim mostrar pra vocês um pouquinho do ensaio fotográfico que fizemos em família. Amo fotografia e não poderia deixar esse momento tão especial passar sem registrar. Quem fez as fotos foi o fotógrafo Patrik Silveira e só tenho a agradecer pela paciência e bom humor para lidar com minha turminha. 





 Como fotógrafa, nunca pensei que tivesse tanto trabalho para registrar momentos com minha própria família, sabe aquele ditado "casa de ferreiro, espeto é de pau"? Pois é, eu devia ter gravado para vocês entenderem como foi um desafio! Kkkkkk... Ora as crianças brigavam, ora reclamavam que queriam entrar na água (no dia estava frio e chuviscando) e se tornou uma missão "quase impossível" fazê-los olhar pra câmera quando era necessário. Se chamar a atenção de uma criança não é tarefa fácil, imaginem de três?! Mas foi divertido e Patrik capturou esses momentos que ficarão guardados para sempre conosco!




10 de ago. de 2016

Sou mãe, mas também preciso de colo

Imagem: Filme Marley & Eu 2

 Exercer a maternidade não é fácil. Quantas vezes damos colo quando queremos o mesmo? Quantas vezes enxugamos as lágrimas quando as nossas estão presas na garganta? Foi pensando exatamente nisso que escrevi a reflexão que vocês poderão ler logo abaixo! ;)


Sou mãe, mas também preciso de colo

Positivo! Não acredito que meu sonho está se realizando! Um colo confortável e cheio de amor para compartilhar minha alegria, é tudo o que preciso.

Falta pouco para o grande dia e tantos medos me assolam... será que serei uma boa mãe? Será que saberei decifrar os choros do meu bebê? Como eu preciso me sentir segura! Como eu preciso de colo!

Ser mãe tem sido maravilhoso e ao mesmo tempo apavorante! A cada “primeira vez” me sinto perdida, achando que não vou conseguir. Já levei cada susto e as noites em claro me deixam exausta, achando que não estou sendo a mãe que meu filho precisa. Só preciso ouvir alguém dizer que vou conseguir... só preciso de um colo para descansar.

Preciso voltar ao trabalho e só Deus sabe o quanto meu coração está apertado! Tenho sofrido tanto por desmamar meu bebê. Sei que não sou a primeira a vivenciar esse momento, mas por favor, esse é o MEU momento! Preciso tanto de colo! Preciso sentir que nós ficaremos bem.

Hoje meu bebê fez o primeiro exame de sangue e eu chorei. Chorei por vê-lo chorar, chorei por todas as emoções acumuladas durante estes últimos meses. Preciso de colo pra chorar mais e chorar sem ter que me explicar.

Positivo de novo! Como farei agora? Não preciso de sermões, nem de “incentivadores” dizendo que não será fácil. Eu quero um abraço, quero que chore comigo e compreenda meus receios sem apontar o dedo. Eu preciso de colo!

Como é difícil conciliar uma gestação, trabalho, filho pequeno, ser esposa, dona de casa... Tem me doído não poder pegar meu bebezão no colo tantas vezes como gostaria e não conseguir acompanhar toda a sua energia. Mas também me regozijo por sentir os chutes do nosso mais novo amorzinho dentro de mim. Que mistura de emoções! Preciso de colo pra assimilar tudo isso.

Sinto-me realizada pela família que tenho, mas não posso negar que há momentos de exaustão e frustação. Momentos que sinto saudade da minha rotina quando trabalhava fora, quando tinha uma vida social, quando tinha adultos pra conversar durante o dia sobre qualquer assunto que não fosse marca de fralda ou indicação de um pediatra. Preciso de colo pra deitar minha cabeça e poder falar, falar, falar até me cansar.

Ver meus filhos crescidos é tão maravilhoso! Tornaram-se adolescentes lindos, mas estão numa fase que já não me veem como aquela mãe linda e legal. Agora sou a mãe que pega no pé e que cobra notas e horários. Mas quer saber? Eu também canso desse papel! Canso de cobrar e ser durona. Queria pegá-los no colo como antigamente e sentir que posso deixá-los seguros pra sempre. Na verdade, eu preciso me sentir segura, preciso daquele colo pra aquecer meu coração.

Não tenho palavras para expressar o que senti ao vê-los seguir seus caminhos e formar suas próprias famílias. Sou feliz por vê-los felizes! Preciso de colo para me aconchegar e relembrar como foi vivenciar a maternidade tão intensamente e poder confirmar que tudo tem dado certo.

 Como mãe, a gente doa, ama, sofre, renuncia, dedica-se com tudo que tem para ser a melhor. Seja alisando a barriga quando nosso filho é ainda um grãozinho ou no consolo que damos naquele tombo quando eles estão aprendendo a andar de bicicleta. Sempre temos nosso colo disponível para os filhos, para o marido, para a amiga... mas também precisamos ser ouvidas, abraçadas, consoladas, incentivadas... mãe também precisa de colo!


5 de ago. de 2016

Chá de Fraldas | Aprenda a fazer o convite


 As semanas vão passando e a data do Chá de Fraldas está chegando. No post  Dicas para organizar o Chá de Fraldas eu havia dito que mostraria como ficou o convite do Chá da Linda e que faria o passo a passo. Promessa é dívida e cá estou eu! Bora lá!

 Resolvi fazer um convite mais simples e que fosse possível minhas leitoras fazerem sem a necessidade de recursos maiores. Basta imprimir o modelo que estou disponibilizando e seguir as orientações, ok?!

1 de ago. de 2016

Escolhendo o nome da bebê


 Depois de saber o sexo do bebê, todo mundo quer saber qual será o nome escolhido pelos pais e muitos dão até dicas e mais dicas. Tem famílias que há até disputa entre pais e avós para escolherem o nome do bebezinho. Mas acima da nossa vontade, não podemos esquecer que estamos falando de um ser humano que estar por vir e essa decisão marcará sua vida para sempre. 

 Eu e Júlio (meu marido) sempre tivemos o cuidado de saber tudo sobre o nome a ser dado aos nossos filhos. Antes de um nome bonito, vem o significado por trás dele e é isso que pesa muito em nossas escolhas. Para nós, isso influencia e muito sobre como será a sua personalidade e como o peso do significado do nome virá sobre ele(a). Não é superstição, mas fatos comprovam isso em nosso dia-a-dia e a bíblia nos respalda inclusive. Podem observar que o próprio Deus tinha o cuidado de nomear seus escolhidos e até mudar o nome de alguns. Simplesmente por que não gostava daqueles nomes? Não! Mas porque havia um significado por trás deles. 

 Claro que não vamos só ver o significado e escolher um nome que soe estranho ou que dê motivo de apelidos nada bacanas para nossos filhos, né? A pessoa passar a vida toda sendo motivo de piadinhas é tão triste! Eu não gostaria de passar por isso, por que faria isso com meus filhos? Antes de escolher um nome, temos que pensar que o nome será dele e não nosso. Sério gente, ser chamado de "Um", "Email", "Oceano Atlantico" e tantos outros nomes muito esquisitos é uma falta de respeito com o próprio filho.

 Outra coisa que eu me preocupo é na facilidade que a criança vai ter em aprender a escrever o próprio nome. Eu particularmente, prefiro nomes curtos e sem y, vários L ou N, mas isso é um pensamento meu, tá?! No nosso caso, as crianças recebem o sobrenome "Koplin" que já terão que soletrar para o resto da vida (digo isso por experiência própria!), imaginem se tiverem um nome mais complicado? Prefiro facilitar a vida deles. :) Então escolhemos Isaque, Lídia e Elisa.

 Além da facilidade de se escrever, pensamos muito em como vai soar o nome juntamente com todo o sobrenome. Sempre falo em voz alta e escrevo o nome completo para ver se vai ter uma boa combinação.

 Depois de falar isso tudo, vocês devem estar curiosos para saber o nome da nossa bebê, né? Foi até engraçado, por que assim que soubemos o sexo e contamos para as crianças, decidimos no dia seguinte. Analisamos os nomes femininos que eu e Júlio havíamos separado no aplicativo sobre gestação que eu uso ( o Gravidez +) e fomos dizendo em voz alta cada nome e eliminando. Quando chegou no nome escolhido, todos gostaram e as crianças começaram a gritar o nome. Depois disso, não teria como escolher outro! Rsrsrs... Então o nome escolhido foi...
Foto divulgada no Instagram

 Além do adjetivo ser lindo (risos!), no original, Linda significa afável, escudo e adorável. E desejamos que nossa princesinha seja muito forte e amável, porque amada ela já é e muito!

 Mas e vocês? Como escolheram ou estão pensando em escolher o nome do(a) seu(sua) filho(a)? Conta pra mim nos comentários! ;)



29 de jul. de 2016

Rotina de sono


 Desde que nascem, as crianças são moldadas conforme a rotina que os pais criam para elas. Quando se fala de sono, é importante que elas tenham horários e eu sempre zelei por isso em minha casa. Imaginem a loucura que seria se meus três filhos tivessem rotinas diferentes entre eles e dormissem quando bem entendessem??? Eu surtaria, eles não teriam uma rotina saudável e levantar cedo para ir à escola seria estressante!

 Cada idade tem o seu padrão de sono, principalmente quando falamos dos cochilos diurnos, mas é fundamental que se tenha horário certo pra dormir. Cada família vive uma realidade, mas aqui eu estipulei às 21 horas para que os três fossem pra cama. Então, eles escovam os dentes, damos boa noite e cada um segue para o seu quarto. Como levantam muito cedo, funciona super bem para que eles acordem descansados. Os dois mais velhos não dormem mais durante o dia e a caçula tira um cochilo à tarde, mas não é sempre. Eu até prefiro que não durma porque atrapalha o horário de sono noturno dela.

 Outra coisa que achei fundamental foi  não deixar as crianças assistirem televisão antes de dormir e eles já sabem que não abro mão disso. Assistir desenhos ou seja lá qual for a programação, nunca ajudou os meus filhos a pegarem no sono, pelo contrário, chama mais atenção e leva eles a ficarem acordados por mais tempo. Quando a Elisa (4 anos) está com mais dificuldades pra ir deitar, eu coloco um instrumental de canções de ninar pra tocar em volume baixo, até ela acalmar e dormir.

 A Sociedade Brasileira de Pediatria divulgou uma tabela do sono baseada em pesquisas feitas pela National Sleep Foundation, que nos dá um parâmetro muito bom para saber se nossos filhos estão tendo um padrão saudável de sono.

 Ter uma rotina de sono não é coisa de gente fresca e exagerada. É comprovado que o hormônio responsável pelo crescimento é liberado em maior quantidade durante o sono, além de ser período de fixação de todo aprendizado que eles tiveram durante o dia.

 Por experiência com a turminha aqui, percebi que após os dois anos de idade, é bom que se evite a soneca diurna por longo tempo. Um soninho de uma hora, uma hora e meia logo após o almoço, já renovará as forças do pequeno e não causará falta de sono durante à noite. Quem nunca já passou por noites de choros do filho que não queria ir pra cama porque dormiu demais durante o dia? Eu sou uma e garanto que não é legal e nem favorável! Rsrsrs...

 Outro lado bom de se ter uma rotina, e falo rotina num aspecto geral, é que eles crescem entendendo que vivemos num mundo onde se tem horários e responsabilidades a serem cumpridas. Mesmo que os meus filhos não estejam com sono, eles deitam na cama e ficam lá até dormir, no dia seguinte acordam no horário e cumprem suas responsabilidades escolares. Já estão sendo moldados desde novos e acredito que isso os tornará adultos mais organizados.

 Enfatizando mais uma vez que essa é uma rotina da minha família e que não é fácil mantê-la, afinal, educar crianças requer tempo e dedicação, e isso é trabalhoso demais. Também não quero impor regras para sua família e nem dizer que a minha rotina é a correta, meu objetivo é compartilhar como lido com o tema e lembrar a importância do sono em horários corretos para as crianças. Mas, se na sua casa não há esse hábito desde que seu filho nasceu e você deseja mudar isso, tenha certeza que não será moleza, muitas crianças criam resistências a certas mudanças, mas como falei inicialmente, crianças estão em fase de aprendizado e em poucos dias assimilam a nova rotina. Então, não desista e saiba que criar uma boa rotina de sono pra ele será benéfico e valerá a pena cada segundo de tempo investido nessa mudança.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Diario de Maternidade - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Acid Assessoria.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo